quarta-feira, 13 de junho de 2018

Misericórdias sem misericórdia com os animais



De acordo com notícias vinda a público a União das Misericórdias Portuguesas, assinou no passado dia 9 de junho de 2018 um protocolo com a Federação Portuguesa das Associações Taurinas – Prótoiro com o objetivo de dinamizar cerca de 35 praças de touros.

Trata-se de um ato vergonhoso feito por uma instituição que devia estar ao serviço das populações e de um melhor relacionamento entre todos os seres vivos.

O MATP solidariza-se com todos os portugueses de bom coração que estão a contestar tal decisão e apela a uma forte campanha de protesto de todos os amigos dos animais. Nesse sentido vimos solicitar o apoio para a campanha, promovida pela Plataforma Basta, de envio de mensagens ao Presidente da União das Misericórdias Portuguesas, através de um formulário que pode ser encontrado no seguinte endereço:

http://basta.pt/misericordia/



Exmo. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas,

Tive conhecimento que a União das Misericórdias passou a fazer parte da Direcção da Prótoiro - Federação de defesa da tauromaquia, assinando um protocolo com o objectivo de dinamizar cerca de 35 praças de touros do país.

Manifesto a minha profunda indignação com esta decisão por parte de uma instituição que tem grande responsabilidade na promoção do apoio social. Considero muito grave que as Misericórdias promovam, apoiem e se associem publicamente a uma actividade cada vez mais contestada, que divide a sociedade e que implica grande violência, mortes e maus tratos a animais.

As touradas são responsáveis por inúmeros acidentes graves, por vezes com mortes, além de causarem intenso e prolongado sofrimento a milhares de animais todos os anos, com mais de 1.000 touros mortos e vários cavalos feridos. Numa altura em que os maus tratos a animais já são crime em Portugal, é muito grave que as Misericórdias se associem a uma actividade que contraria os valores de respeito e empatia por outros seres vivos, e que implica sangue e violência.

Espero que a Direção da União das Misericórdias reconsidere esta decisão, a bem do bom nome da instituição e do progresso civilizacional da nossa sociedade.

Com os melhores cumprimentos,





Póvoa de Varzim livre de touradas



Póvoa de Varzim: praça de touros vai virar multiusos vedado a touradas

O presidente da Câmara de Póvoa de Varzim, Aires Pereira, disse hoje à Lusa que a Praça de Touros do concelho vai ser transformada em multiúsos e deixará de receber touradas.

"Vamos fazer ali um investimento de 5 milhões de euros, construindo um multiusos que acolherá as mais variadas atividades desportivas e culturais ao longo de todo o ano, e a manutenção de instalações para a realização de corridas de touros seria uma grande condicionante, pelo que decidimos que, ali, deixará de haver touradas”, explicou o autarca.

Disse ainda que, ultimamente, apenas se realizavam duas touradas por ano naquela praça e que a sociedade “se tem vindo a posicionar de forma diferente” em relação a essas corridas.

“Há uma outra sensibilidade em relação às touradas, as novas gerações olham-nas de forma diferente, este ano já não se fizeram garraiadas nas festas académicas e a Câmara decidiu dar um novo uso àquela praça”, referiu.

Este verão, assegurou o autarca, a Praça de Touros da Póvoa de Varzim acolherá as suas duas últimas corridas.

O projeto de transformação da praça de touros em multiusos, que contempla a cobertura do recinto, já está a ser elaborado, prevendo-se que a obra arranque em 2019 e esteja pronta no verão de 2020.



(Fonte: tvi24; Foto: cmpv)


quarta-feira, 30 de maio de 2018

Estudantes da Universidade de Évora acabam com a garraiada académica


Comunicado da ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA (22 de maio de 2018):

Os estudantes da Universidade de Évora votaram durante esta terça-feira, dia 22 de maio, no referendo relativo à continuidade da Garraiada no Programa Oficial da Queima das Fitas.

A comunidade estudantil manifestou a sua vontade de retirar este evento do programa. Num universo de 7427 estudantes, 1086 eleitores expressaram a sua vontade, sendo que 61,4% votou contra a continuidade e 37,2% a favor.

A intenção maioritariamente expressa no referendo será cumprida pela atual Direção da AAUE, deixando assim a Garraiada de integrar o programa Oficial da Queima das Fitas de Évora.



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Referendo pelo fim da garraiada na queima das fitas de Évora


Convocatória - Realização do Referendo

A Mesa da Assembleia Magna da Associação Académica da Universidade de Évora (AAUE), vem por este meio, nos termos da alínea i) do artigo 26.º dos Estatutos da AAUE, convocar a realização de Referendo.

A Mesa da Assembleia Magna assumirá a organização, fiscalização e regulamentação de todo o processo de sufrágio.

1 - Data da realização: 22 de Maio (terça-feira).

2 - Formulação da pergunta: Deve o evento "Garraiada Académica" continuar no Programa Oficial da Queima das Fitas?

3 - Mesas de voto: em anexo. (https://drive.google.com/file/d/19Mev-i3OjUAB--vQxThRvr1AMhmK8cfu/view?usp=sharing)

4 - Horário e local: entre as 10:00h e as 18:00h sem interrupções nos seguintes locais:
- Colégio do Espírito Santo;
- Colégio Luís António Verney;
- Colégio Pedro da Fonseca;
- Escola Superior de Enfermagem São João de Deus;
- Colégio dos Leões;
- Pólo da Mitra.

(Salas/Espaço a designar oportunamente.)

4.1 - Horário e local: entre as 18:00h e as 20:00h*
- Colégio do Espírito Santo.

(Salas/Espaço a designar oportunamente.)

*TODOS os alunos que ainda não tenham exercido o seu direito de voto nos respetivos pólos no horário compreendido de acordo com o estabelecido no ponto 4 (entre as 10:00h e as 18:00h), poderão fazê-lo entre as 18:00h e as 20:00h no Colégio do Espírito Santo.



Fonte:
Associação Académica da Universidade de Évora
https://www.facebook.com/events/1722265857809657/


MATP - Boletim Informativo nº 34

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Pelo fim da garraiada na queima das fitas de Évora



Referendo pela continuidade da Garraiada Académica na Queima das Fitas de Évora

Assembleia Magna
Auditório Nobre do Colégio Espírito Santo
Dia 9 de Maio de 2018, 21h30

Vota a favor de um referendo.
Vota a favor da possibilidade de abolição deste evento bárbaro.



quinta-feira, 26 de abril de 2018

Uma tradição para encher os cemitérios


A morte de pessoas e animais ainda é considerada uma festa e motivo de grande celebração nalguns países mais atrasados. Na vizinha Espanha, os mortos sucedem-se nas touradas à corda e largadas de touros. Mas o mesmo acontece em Portugal.






quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Espanha deverá proibir a participação de menores de 18 anos nas touradas


Espanha: a ONU considera que a exposição de crianças menores de 18 anos a touradas é uma violação da Convenção dos Direitos da Criança.



A ONU também recomendou a Portugal, em 2014, proibir a presença de crianças nas touradas.

O Comité dos Direitos da Criança considerou que no nosso país existia um grave problema de protecção das crianças em relação aos espectáculos taurinos, onde as crianças presenciam actos de violência, mas também em relação à existência de escolas de tauromaquia, onde as crianças são incitadas a participar directamente nos referidos actos.

Nas suas conclusões, o Comité dos Direitos da Criança dedicou dois parágrafos exclusivos à tauromaquia:

● O comité está preocupado com o bem-estar físico e mental das crianças envolvidas em treino para touradas, e com espectáculos a elas associadas, bem como com o bem-estar mental e emocional das crianças enquanto espectadores que são expostos à violência da tauromaquia.

● O Comité, com vista à eventual proibição da participação de crianças na tauromaquia, insta o Estado Parte a adoptar as medidas legislativas e administrativas necessárias com o objectivo de proteger todas as crianças que participam em treinos e actuações de tauromaquia, assim como na qualidade de espectadores. Estas medidas podem incluir o aumento da idade mínima de 12 anos para o treino, incluindo em escolas de tauromaquia e quintas privadas, e para a participação das crianças em touradas, bem como aumentar a idade mínima de 6 anos para a assistência a estes eventos como espectadores. O Comité insta também o Estado Parte para que adopte medidas de sensibilização sobre a violência física e mental associada à tauromaquia e o seu impacto nas crianças.


A Convenção sobre os Direitos da Criança

A Convenção sobre os Direitos da Criança é um tratado internacional para a protecção de crianças e adolescentes de todo o mundo aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas no ano de 1989. Amplamente aceite pela totalidade dos países do mundo (só não foi ratificado oficialmente pelos Estados Unidos e pela Somália), a Convenção sobre os Direitos da Criança é sem dúvida o instrumento para a defesa dos direitos humanos com mais sucesso de toda história.

O Comité dos Direitos da Criança é o órgão criado pela Convenção com o objectivo de controlar a aplicação, por parte de todos os países assinantes, das disposições e princípios recolhidos no texto da Convenção. Este Comité está integrado por "dez especialistas de reconhecida integridade moral e competência nas áreas cobertas pela presente Convenção".



domingo, 14 de janeiro de 2018

Cartagena das Índias (Colômbia) livre de touradas




Cartagena das Índias, a quinta maior cidade da Colômbia, é agora uma cidade livre de touradas.



"El alcalde de Cartagena de Indias, Sergio Londoño Zurek fue enfático al señalar que mientras él sea alcalde de Cartagena, en la ciudad no habrá corridas de toros.

“Hay que sentar un precedente y hacer valer los principios de protección animal amparados en la Ley 1774 de 2016, que tipifica como delito punible el maltrato al que son sometidos estos animales”.

Señaló que acogiendo los principios que siempre han regido su vida y ante el clamor y el llamado de todos los animalistas que durante años han propendido por los derechos de los animales como seres sintientes, “hago una declaración pública a la ciudad en el sentido que NO permitiremos corridas de toros en Cartagena en 2018”, sostuvo el mandatario.

Londoño Zurek dijo que es importante que los ciudadanos cada día “seamos más conscientes frente a las actividades como éstas, que entendamos que los intereses de empresarios y un grupo de aficionados no pueden pasar por encima del respeto a quienes sienten y padecen dolor y sufrimiento en estos espectáculos”.


Fonte: El Universal



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Alverca do Ribatejo não quer touradas



O novo Presidente de Junta de Freguesia da União das Freguesias de Alverca do Ribatejo e Sobralinho, no município de Vila Franca de Xira, não quer garraiadas – e consequentemente também touradas – nas festas da cidade.

Carlos Manuel Gonçalves, eleito pela CDU (PCP-PEV), declarou: “Respeitamos todos os seres vivos e rejeitamos a violência pela violência. Não somos contra essas tradições, respeitamo-las mas não a promovemos. Não haverá garraiadas nas festas de Alverca”.

Esta declaração foi feita em resposta à bancada do Bloco de Esquerda, que aplaude a posição da nova Junta de Freguesia.


Fonte: O Mirante



segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Maracaibo (Venezuela) livre de touradas




Maracaibo, a segunda cidade da Venezuela, é agora uma cidade livre de touradas. A "Plaza de Toros" passa a ser agora a "Plaza de Todos" e vai permitir recuperar dinheiro para a autarquia.



El alcalde de Maracaibo, Willy Casanova, afirmó que la Plaza de Toros de la capital zuliana no seguirá siendo un espacio para la muerte y la tortura de animales, por lo que indicó que en los próximos días cambiará su uso y denominación para llamarse la “Plaza de Todos”.

El mandatario municipal explicó que su gestión estará en contra del sacrificio y la matanza de cualquier ser vivo. “Creemos que eso no debe ocurrir en una ciudad donde se defienden los valores básicos de la vida. Queremos cambiarle la denominación a esta plaza y que ahora sea la Plaza de Todos a fin de que su uso sea para los espectáculos recreativos”.

Comentó que esta medida ayudará a generar recursos a la municipalidad mediante la recaudación de fondos por eventos. “Teniendo los estacionamientos adecuados y las plataformas tecnológicas que soporten la plaza, pudiéramos tener espectáculos de primer nivel en ese espacio que sirvan para la captación de ingresos”, dijo.

Fonte da notícia: ver aqui.




domingo, 15 de outubro de 2017

Caixa Geral de Depósitos contra as touradas




Carta enviada pela Caixa Geral de Depósitos:

"Estimado Senhor

Obrigado pela sua mensagem acerca da utilização da imagem da Caixa no Festival Taurino.

A Caixa Geral de Depósitos tem, por princípio, não apoiar touradas ou outras manifestações culturais onde haja violência contra animais.

A Caixa é alheia à colocação indevida do seu logotipo no Festival Taurino, realizado a 7 de Outubro em Beja e já solicitou à IPSS em questão, que não volte a utilizar o logótipo da Caixa sem a sua autorização.

Com os nossos cumprimentos,

Caixadirecta"


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Escreva contra as falsas touradas de "beneficência"


Acção - Touradas CerciBeja Não

A CerciBeja já foi beneficiária/apoiante de nove touradas. Não podemos permitir que as Cercis continuem a associar-se à tauromaquia. Por favor, escreva para a Federação que as representa, bem como para a Caixa Geral de Depósitos, cujo logotipo consta no cartaz da tourada do dia 7/10/2017. Basta enviar a mensagem sugerida (ou outra) para os endereços indicados.

Para: com.marketing@fenacerci.pt, cgd@cgd.pt

Cc: marinhenses.antitouradas@gmail.com

Assunto: Touradas Não (ou outro assunto que lhe pareça apropriado)

Mensagem sugerida:


Exmos. Srs.,

Começando por me dirigir à Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), enquanto representante da Cercibeja,

Escrevo-lhes para expressar a minha mais profunda insatisfação por a CerciBeja ter sido beneficiária, e paralelamente apoiante, de um “Festival Taurino” decorrido no dia 7 de Outubro de 2017, bem como por ter levado pessoas com deficiência intelectual a assistir e por ter demonstrado uma total falta de respeito pelas muitas pessoas que deixaram pedidos de cancelamento da tourada na página do Facebook da Instituição mas que tiveram como única resposta a eliminação dos seus respectivos comentários.

Na recente tourada a favor da referida Instituição de Beja, obrigaram-se vários equinos e seis bovinos a participar. Sujeitaram-se esses equinos a elevados níveis de stress e a diversos perigos, como o de serem colhidos pelos bovinos. Humilharam-se e torturaram-se os bovinos, sem se dispensarem sevícias como cravar ferros com arpões nos corpos dos animais ao som de olés e aplausos.

É verdade que a tauromaquia ainda beneficia, no nosso país, de uma excepção expressa na mesma lei que proíbe expressamente “todas as violências injustificadas contra animais”, como sejam, infligir-lhes “a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões”, discriminando assim os touros relativamente aos outros animais não humanos. Mas é indiscutível que, embora ainda legalmente permitida, se trata de uma actividade violenta que causa muita repulsa na sociedade portuguesa. E é por esta polémica actividade assentar na violência contra seres sencientes, excluídos e colocados numa situação de vulnerabilidade, que me parece que as Cercis dela se deveriam distanciar.

A mais recente tourada a favor da CerciBeja pode até ter rendido, segundo informações veiculadas por blogues tauromáquicos, 3.013,54 euros; mas é certo que afectou negativamente a credibilidade desta Cerci e das Cercis em geral.

Venho, pois, pedir à FENACERCI para recomendar às suas associadas que não sejam beneficiárias de espectáculos tauromáquicos.

Aproveito a presente mensagem para perguntar à Caixa Geral de Depósitos se tem conhecimento de que o seu logotipo constou no cartaz publicitário da referida tourada, e se a patrocinou.

Agradecendo a atenção dispensada,

Com os melhores cumprimentos,

(Nome)
(Localidade)



segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Escreva ao Presidente da República



Por favor, escreva ao Senhor Presidente da República. Agradeça a Sua Excelência por não ter marcado presença numa tourada (transmitida pela TVI) para a qual havia sido formalmente convidado. Peça-lhe para declinar mais um convite para uma outra tourada (que vai ser transmitida pela RTP).

Envie, via e-mail, o seu próprio texto ou o da mensagem abaixo sugerida.

Para: belem@presidencia.pt
Cc.: marinhenses.antitouradas@gmail.com

Assunto: Agradecimento e Apelo (ou outro assunto que ache apropriado)

Mensagem sugerida:

Excelentíssimo Senhor Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa,
Digníssimo Presidente da República Portuguesa:

Venho, por este meio, agradecer a Vossa Excelência por ter declinado um convite para assistir a uma tourada no Campo Pequeno no passado dia 18 de Agosto e apelar para que, enquanto for Presidente da República, não aceite qualquer outro convite do género.

Ainda que a tauromaquia possa ser considerada como parte integrante da cultura e tradições portuguesas, não deixa de ser uma actividade cruel para com os animais, sendo inegavelmente causadora de muita controvérsia e de uma muito expressiva repulsa social, em Portugal e no Mundo. Perante um tema sempre tão polémico, que tanto divide os/as Portugueses/as, parece-me, pois, sensato que qualquer Presidente da República se abstenha de participar quer em eventos anti-tauromáquicos quer em eventos tauromáquicos, independentemente de se identificar mais com os de um ou de outro tipo.

Reiterando os meus agradecimentos, reforço o meu apelo para que Vossa Excelência não marque presença em touradas, seja na que está agendada para 12 de Outubro no Campo Pequeno ou em qualquer outra.

Agradecendo antecipadamente a atenção de Vossa Excelência,

Atentamente,

(Nome)
(Localidade)



sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Luta contra a tauromaquia no Algarve


Uma manga aérea cruzou os céus do Algarve com mensagem abolicionista da tauromaquia, nos dias 17 e 24 de agosto. Partiu de Portimão até Vilamoura, regressando pelos parques de água e passando por Albufeira, onde ainda tristemente se torturam touros na respectiva praça de tortura.




sexta-feira, 11 de agosto de 2017

TVI - Pedido de envio de e-mails



TVI Sem Touradas? – Pedido de Envio de E-mails

Depois de cinco anos consecutivos sem emitir ou apoiar touradas, a TVI está, esta semana, a passar publicidade a uma, com a menção “apoio TVI”. Não há certezas sobre se a pretende ou não transmitir, mas tendo em conta insinuações em blogues tauromáquicos, é possível que sim. Por favor, actue já, enviando a mensagem abaixo sugerida (ou outra que lhe pareça apropriada) e partilhando/divulgando este apelo.

Marinhenses Anti-touradas


MENSAGEM SUGERIDA:

Para: relacoes.publicas@tvi.pt, sec.administracao@mediacapital.pt, comunicacion@prisa.com
Cc: marinhenses.antitouradas@gmail.com


Exmos. Srs.,

Escrevo-lhes a propósito do apoio da TVI à “Corrida 125 Anos Campo Pequeno”, que se realizará no dia 18 de Agosto. Trata-se de algo que me causa uma enorme tristeza e perplexidade.

Quando, em 2013, a TVI deixou de emitir e apoiar touradas, acreditei que o tinha feito, pelo menos em parte, devido a apelos como o meu e os de outros telespectadores/as e, acima de tudo, por razões de ordem ética. Foi uma medida que me trouxe uma enorme felicidade e sentido de realização cívica e moral, que me fez criar um vínculo afectivo muito forte com essa estação de televisão e que me fez acreditar que passaríamos a caminhar “lado a lado” para um mundo melhor.

Quatro anos depois, surge um apoio da TVI a uma tourada, mencionado num spot publicitário que tem vindo a ser difundido esta semana. Não sei ao certo de que tipo de apoio se trata, mas não posso deixar de expressar a minha reprovação pelo mesmo. E embora queira muito acreditar que o referida tourada não será televisionada, temo que isso possa vir a acontecer.

Na expectativa de que a TVI perceba que ao associar-se à tauromaquia está a inquietar um número muito significativo de Portugueses e Portuguesas e a contribuir para um abrandamento do progresso moral da sociedade portuguesa, fica o meu apelo para que deixe, de uma vez por todas, de apoiar a tauromaquia, e para que não transmita a “Corrida 125 Anos Campo Pequeno”, que, além de toda a habitual crueldade que encerrará, assinala mais de um século de violência extrema contra animais.

Com os melhores cumprimentos,

(Nome)
(Localidade)